Frutíferas

FRUTÍFERAS


Uma árvore classificada como frutífera, é capaz de produzir frutas através do amadurecimento do ovário da flor, o qual pode conter sementes. Elas também oferecem efeito ornamental, tanto pelas cores do tronco e diferentes formatos das folhas e copa, como pela sua época de floração e frutificação. 
A maioria torna-se atrativa para nossos olhos e paladar, para borboletas e outros insetos em sua floração e para a avifauna em sua frutificação.
As espécies frutíferas podem ser anuais ou produzirem em uma época definida do ano, sendo assim, interessante que se estude e selecione mais de uma espécie para ser cultivada em seu jardim ou pomar. A escolha deve levar em conta as condições de clima e solo da região, o espaço e sua finalidade para melhor aproveitamento da fruta ao natural ou para a produção de derivados (sucos, geleias, etc.)
Ao contrário do que muitos imaginam, há uma grande quantidade de espécies capazes de serem cultivadas em vaso, e que se adaptam facilmente ao novo ambiente, porém, ela dependerá quase que 100% de seus cuidados.

PITANGA

Nome científico: Eugenia uniflora 
É uma árvore nativa brasileira, medianamente rústica, de porte pequeno a médio, com 2 a 4 metros de altura, mas podendo chegar acima de 6 metros. A copa arredondada é dotada de folhagem perene, verde-escuras. As flores são brancas e pequenas. Seu fruto, tem a forma de bolinhas globosas e carnosas, de cor vermelha, laranja, amarela ou preta.
A pitanga é consumida geralmente ao natural e é muito nutritiva, sendo rica em vitaminas e minerais.

ACEROLA

Nome científico: Malpighia emarginata
É um arbusto ou arvoreta, frutífera e ornamental com seu tronco ramificado desde à base, copa densa e porte pequeno, geralmente entre 3 e 5 metros de altura. As folhas são simples, pequenas, brilhantes e de cor verde-escura. As inflorescências possuem de três a cinco flores com pétalas franjadas de cor branca ou rosa. Os frutos são arredondados, carnosos e podem ser de cor laranja ou vermelha quando maduros e ricos em vitamina C.

JABUTICABA

Nome científico: Myrciaria cauliflora
É uma árvore nativa da Mata Atlântica, de crescimento lento, com tronco bastante ramificado e de casca lisa, que se renova anualmente após a frutificação. Na primavera surgem do tronco numerosas flores brancas, que cobrem quase toda sua extensão. Após a polinização, as flores gradativamente vão sendo substituídas por pequenos frutos verdes, esféricos, que tornam-se vermelhos e depois negros, quando completamente amadurecidos.

GOIABA

Nome Científico: Psidium guajava
 É uma árvore de pequeno porte, tipicamente tropical que apresenta tronco tortuoso, com casca lisa que, quando envelhece, se desprende em finas lâminas de cor castanha. Suas folhas são elípticas, de coloração verde clara com nervuras bem marcadas. As flores são brancas e ocorrem na primavera. Os frutos são do tipo baga, de casca fina, lisa e verde, que torna-se amarela quando bem amadurecida. A polpa é delicada, doce e perfumada, e pode ser vermelha ou branca, de acordo com variedade.

AMORA

Nome Científico: Morus nigra
É uma árvore de porte médio, alcançando de 4 a 12 metros de altura, de copa ampla e densa, perdendo folhas no inverno. As folhas são simples, de margens serrilhadas e ásperas ao toque. As mudas podem apresentar folhas lobadas. As inflorescências surgem no final do inverno onde se reúnem flores brancas minúsculas. Os frutos são pequenos aquênios, carnosos e negros quando maduros.
É rústica e não necessita de cuidados especiais para frutificar em abundância.

CEREJA DO RIO GRANDE

Nome Científico: Eugenia involucrata
É uma árvore frutífera e ornamental, com copa colunar e de porte pequeno a médio, alcançando de 5 a 15 metros de altura. O tronco é reto, liso e descamante, com belas tonalidades de cinza, castanho, verde ou vermelho, dependendo da fase da casca. As folhas são simples, brilhantes e aromáticas.
Os frutos são bagas de casca fina, cor vermelha a negra quando maduras, coroados pelo cálice persistente. Floresce e frutifica na primavera.

GRUMIXAMA

Nome Científico: Eugenia brasiliensis
É uma árvore nativa brasileira, de crescimento rápido porém, porte pequeno, atingindo de 3 a 6 metros, com copa cônica ou piramidal, compacta e de folhagem perene. Seu tronco é curto e cilíndrico, com casca verde acinzentada. Frutifica nos meses de outubro a dezembro. Seus frutos são pequenas bagas esféricas roxas-escuras, com polpa aquosa levemente ácida, normalmente consumida in natura e atraem a avifauna.

FIGO

Nome Científico: Ficus carica
É uma árvore frutífera, de porte pequeno a médio, geralmente não ultrapassando os 8 metros. A planta é bem ramificada, com ramos frágeis e seiva leitosa. As folhas são verdes, caducas no inverno, com nervuras bem marcadas e lobadas. As flores da figueira não são visíveis pois se encontram dentro do figo, que é uma infrutescência e não uma fruta. Ela provê uma quantidade enorme de figos que podem ser consumidos maduros, in natura, ou mesmo verdes, em preparos diversos. 

ROMÃ

Nome Científico: Punica granatum
É uma arvoreta que atinge de 2 a 5 m, de tronco acinzentado e ramos avermelhadas quando novos. As flores da romãzeira são vermelho-alaranjadas e simples. Os frutos são esféricos, com casca grossa, amarela ou avermelhada manchada de escuro. O seu interior é composto de muitas sementes, cobertas por um tegumento espesso, polposo de cor rósea ou avermelhado, de sabor ácido e doce. É esta polpa que envolve as sementes a parte comestível do fruto.

LIMÃO TAHITI

Nome Científico: Citrus aurantifolia tahiti
É uma árvore geralmente com 4 metros de altura, possui folhas de tamanho médio e com formato elíptico, de um verde intenso e aromáticas. Suas flores são pequenas alvo-amareladas que ocorrem do outono ao início da primavera. Os frutos são arredondados, verdes e com casca fina, possui polpa esbranquiçada, com muito suco, ligeiramente ácida e com sementes. Essa fruta é rica em vitamina C e outras vitaminas e sais minerais. 

LIMÃO GALEGO

Nome Científico: Citrus aurantifolia
É uma árvore com tronco de coloração verde, passando depois para castanho-claro,  ramificados e com muitos espinhos. Suas folhas são persistentes, de coloração verde-clara quando novas e, a medida que envelhecem vão ficando verde-escuras. As flores são pequenas, de coloração branca e bastante perfumadas. Produz frutos bem suculentos, de coloração verde-claros ou amarelo-claros, pequenos, de casca fina e lisa.
Bastante rústica, aprecia solos férteis e arejados, mas não gosta de ventos fortes.

LIMÃO SICILIANO

Nome Científico: Citrus limon
É uma arvoreta que atinge de 3 a 6 metros de altura. Suas flores são brancas no centro e arroxeadas ao redor, com odor adocicado. Seu fruto tem formato oval e casca grossa, com uma protuberância na ponta. Ele nasce verde e fica amarelo ao amadurecer. Dentro da casca há uma polpa suculenta, que se extrai um suco bem ácido e azedo. Normalmente gosta das regiões mais quentes.

LIMÃO CRAVO

Nome Científico: Citrus × limonia
É uma árvore pequena, rústica, de folhas muito verdes.  Possui um fruto redondo, ligeiramente achatado, mas irregular, quase disforme: a casca, toma uma forte cor alaranjada na maturação, mas tem manchas, nervuras e uma aparência grosseira. A polpa é alaranjada, com um suco abundante, muito ácido, saboroso e rico em vitamina C. 
Entre os cítricos, não há árvore mais resistente que essa: se a casca do limão for atacada por agentes externos como fungos e doenças, ele costuma permanecer intacto por dentro.

LIMA DA PERSIA

Nome Científico: Citrus limettioides
É uma árvore de pequeno porte, com ramos repletos de espinhos pequenos e numerosos. As folhas são ovais, verdes e brilhantes, com margens em dentes. Suas flores são pequenas e em cachos, e os frutos arredondados ou oblongos, de coloração amarelo-clara e casca lisa que torna-se amarelo-alaranjado quando fica maduro, com o tamanho entre uma laranja e um limão, com um sabor de baixa acidez e, com um amarguinho no final.

CAMBUCI

Nome Científico: Campomanesia phaea
É uma árvore nativa da Mata Atlântica, com copa piramidal, tronco descamante com 20 a 30 cm de diâmetro. Possui folhas simples e lisas, e flores axilares pedunculadas e solitárias. O fruto é uma baga lisa, achatada, de cor verde mesmo quando maduro, com polpa carnosa doce-acidulada e têm um perfume intenso, adocicado. O cambuci é caracterizado pela sua riqueza em vitamina C.
Tem altos teores de lipídios, carboidratos e proteínas, além de grande quantidade de ácido ascórbico.

LARANJA SELETA

Nome Científico:  Citrus sinensis
É uma árvore com ciclo perene e geralmente apresenta copa em formato arredondado.  Floresce várias vezes ao ano, dando grande quantidade de frutos em toda extensão de seus galhos e ramos, em principal no outono. Seus frutos em geral são arredondados, possuem uma casca de cor amarelo forte, polpa amarela e com sementes. Tem sabor bem doce e sua polpa é muito suculenta, podendo ser consumida ao natural ou em sucos. É própria para quintal ou pomar, podendo ser utilizada também como ornamental e em vasos, pelo seu aroma característico.

LARANJA LIMA

Nome Científico: Citrus SInensis Osbeck
É uma árvore de porte médio à grande, possui tronco e ramos tortuosos, com copa densa, arredondada e perene, de folhas verdes, brilhantes e aromáticas. 
É uma planta relativamente rústica e de fácil adaptação, apesar de ser sensível a uma infinidade de pragas e doenças que reduzem sua produtividade. Produz fruto redondo, de casca lisa e bem alaranjada com polpa de baixo teor de acidez, sabor mais suave e muito doce.
A frutificação pode-se estender durante todo o ano, mas é mais abundante no outono.

LARANJA PÊRA RIO

Nome Científico:  Citrus sinensis
É uma árvore de porte médio e copa densa, arredondada e perene. Suas folhas são verdes,  brilhantes e muito aromáticas.
As flores da laranjeira são brancas, pequenas e perfumadíssimas, atraindo abelhas melíferas em profusão. O mel de flores de laranjeira é um dos mais valorizados no mercado. Os frutos são em geral esféricos, de casca alaranjada, com pericarpo branco, rico em pectina. A polpa é aquosa, de coloração entre o amarelo claro e o laranja.

LARANJA SANGUÍNEA

Nome Científico: Citrus × sinensis 'Blood orange'
É uma árvore de porte grande, podendo chegar a 10 metros de altura, relativamente rústica e de fácil adaptação a qualquer clima. O fruto é menor do que uma laranja média, de sabor doce e levemente acidulado, sua polpa possui com avermelhada.
É uma rica fonte de substâncias que combatem a ação dos radicais livres e evita riscos de doenças cardiovasculares (DCV).

LARANJA CHAMPAGNE

Nome Científico: Citrus sinensis
É uma árvore de porte médio à grande e copa densa, arredondada e perene. 
Seu tronco e ramos apresentam casca castanho-acinzentada e são um tanto tortuosos. As folhas são verdes, brilhantes e muito aromáticas.
Possui fruta de tamanho grande, casca verde e polpa amarelo claro. Seu suco tem a cor da bebida champagne, daí o nome. É considerada uma das laranjas mais saborosas existentes para consumo in natura e em sucos. A casca da fruta normalmente é utilizada na produção de doce. 

LARANJA KINKAN

Nome Científico: Fortunella margarita
É uma árvore de pequeno porte, muito produtiva, com tronco bastante ramificado, podendo ter ramos muito espinhentos ou lisos, e de crescimento lento. Se bem conduzida, ela forma copa densa e bonita. As flores surgem na primavera e são brancas e muito perfumadas. Seus frutos amadurecem no outono, são pequenos, com poucos gomos, e de casca fina e comestível. 
Essa laranjeira é ideal para cultivar em vasos, ou em jardins pequenos. Uma das poucas frutíferas que aprecia tanto sol pleno como meia-sombra, sem comprometer sua produção.

LARANJA BAHIA

Nome Científico: Citrus sinensis L.
É uma árvore de grande porte, com copa de folhas verde escuras e grandes, são arredondadas e com muita folhagem. Podem produzir de 150 a 250 kg de laranjas por árvore. Seus frutos maturam geralmente entre abril e junho, com pico em maio.
Seu fruto não possui sementes e sua casca é grossa, de um laranja forte e fácil de retirar. Sua polpa é consistente, granulada e de um alaranjado vivo, com sabor doce e um leve toque amargo. 

DECOPOM

Nome Científico: Citrus reticulata 'Shiranui'
É uma árvore que necessita de clima ameno, solo profundo e boa disponibilidade de água durante o ano. Seu fruto não possui sementes, tem casca levemente enrugada, é exótico e suculento, possuindo polpa bem doce e cor alaranjada. Tem uma grande protuberância na parte que fica aderida à planta e um tamanho grande que, na média, pesa aproximadamente 400 gramas.
A colheita normalmente ocorre entre os meses de abril e agosto, tendo safras temporãs de setembro a dezembro. 

MURCOTE

Nome Científico: citrus sinensis x citrus reticulata
É uma árvore de porte médio a grande. Seus frutos possuem casca aderente,  tem espessura fina, levemente rugosa e rica em glândulas com óleos essenciais, de coloração intensa, com polpa muito suculenta e aromática . 
O tamanho é médio, com peso em torno de 130 g. As sementes são numerosas, pequenas e redondas. 
Deliciosa ao natural, é versátil também na cozinha. Sua finalidade comercial é, principalmente, para produção de suco. 

MEXERICA PONKAN

Nome Científico:  Citrus Reticulata Blanco
É uma árvore de porte médio a grande, com copa ereta e atinge alta produtividade. Precisa de uma boa quantidade de umidade para se desenvolver. Seus frutos são de casca solta, com baixo teor de acidez, de tamanho médios a grandes. É fonte de vitamina C, betacaroteno e potássio, pectina e outras fibras solúveis. 
Para que não ocorra produção de frutos pequenos é necessário que se faça um desbaste dos frutinhos logo no início.

MEXERICA ROSA

Nome Científico: Citrus Reticulata
É uma árvore de porte médio a grande que atinge alta produtividade. Seus frutos possuem um formato arredondado, com gomos e, quando maduros, apresentam uma casca de cor alaranjada. 
Adapta-se em regiões de climas tropical e sub-tropical, pois precisa de uma boa quantidade de umidade para se desenvolver. É uma fruta que apresenta uma quantidade razoável de sais minerais (cálcio, magnésio, fósforo, sódio, potássio e ferro).

MEXERICA CARIOQUINHA

Nome Científico:  Citrus Deliciosa Tenore
É uma árvore de porte pequeno a médio, copa arredondada e densa. Altamente produtiva, portanto se torna necessário que faça-se um desbaste rigoroso dos frutinhos antes que a planta fique saturada para evitar a produção de frutos pequenos e secamento de galhos ponteiros, além da alternância de safra. 
Os frutos são medianos, muito aromáticos, têm casca fina e lisa, sendo fáceis de descascar. Possui sabor bastante agradável, odor e cheiro característicos. Sua colheita normalmente ocorre de Maio a Julho.

UVA THOMPSON

Nome Científico: Vitis sp
É uma trepadeira, de textura lenhosa, com caule retorcido e córtex escuro e fissurado. As folhas são grandes, com lóbulos dentados e pontiagudos. As flores são bem pequenas, branco-esverdeadas. Os frutos são bagas, com polpa doce e pouco calórica.
Os cachos apresentam coloração âmbar (amarelada), são cônicos, muito compactos, apresentam tamanho pequeno, textura lisa e firme. Essa variedade é livre de sementes.
Sua safra vai de julho a dezembro.

UVA NIÁGARA

Nome Científico: Vitis sp
É uma trepadeira, de textura lenhosa, com caule retorcido e córtex escuro e fissurado. Seus ramos são flexíveis e emitem gavinhas de fixação. As folhas são grandes, com lóbulos dentados e pontiagudos. As flores são bem pequenas, branco-esverdeadas. Os frutos são bagas, com polpa doce e possuem cor rosada. É o tipo de uva de mesa mais consumido no Brasil, sendo destinada na sua maioria para consumo “in natura”, mas uma parte da produção é destinada para produção de vinhos e sucos. 

UVA RUBI

Nome Científico: Vitis sp
É uma trepadeira, de textura lenhosa, com caule retorcido e córtex escuro e fissurado. As folhas são grandes, com lóbulos dentados e pontiagudos. As flores são bem pequenas, branco-esverdeadas. Os frutos são bagas, com polpa doce, gelatinosa a firme. Possui textura de cor vinho, lisa e firme.
A uva Rubi é originária do continente asiático e é resultado da mutação da uva itália. Possui grande quantidade de água e sais minerais. Sua safra é de janeiro a abril.

UVA ITÁLIA

Nome Científico: Vitis sp
É uma trepadeira, de textura lenhosa, com caule retorcido e córtex escuro e fissurado. As folhas são grandes, com lóbulos dentados e pontiagudos. As flores são bem pequenas, branco-esverdeadas. Os cachos são grandes e seus frutos são bagas, com polpa doce, grandes, ovaladas, podendo atingir mais de 23 mm de diâmetro. Possuem coloração verde ou verde-amarelada, consistência carnosa, sabor neutro levemente moscatel. Fica ótima em saladas de frutas e demais receitas que pedem a uva inteira.

CACAU

Nome Científico: Theobroma cacao
É uma árvore de clima quente e úmido e possui duas fases de produção de frutos: março a agosto e setembro a fevereiro.  As flores pequenas, amarelo-avermelhadas, inodoras e pouco atraentes, nascem unidas ao tronco. Delas se originam as bagas ou frutos, que medem até 25 cm de comprimento e adquirem, quando maduros, tonalidade esverdeada, amarela ou roxa. Cada fruto contém cinqüenta ou mais sementes envoltas numa polpa viscosa e esbranquiçada. O cacaueiro pode viver mais de cem anos. 

ARAÇÁ AMARELO

Nome Científico: Psidium cattleyanum
É uma árvore de copa esparsa, muitas vezes com porte arbustivo. Seu tronco é tortuoso e de casca lisa, escamosa, na cor cinza a marrom avermelhada. As flores são solitárias e brancas e florescem de junho a dezembro.
A frutificação ocorre durante a primavera e verão. Os frutos são do tipo baga, pequenos, globosos, de casca vermelha ou amarela, com polpa de cor creme a esbranquiçada, suculenta, doce e ácida, de sabor e aspecto semelhantes à goiaba, e com numerosas sementes. 

GRAVIOLA

Nome Científico: Annona muricata
É uma árvore nativa brasileira, de porte médio a grande. Possui folhas lustrosas, de verde intenso e produz um fruto comestível com formato semelhante a um grande coração, de coloração verde amarelada, apresentando falsos espinhos carnosos, curtos e moles. Contém muitas sementes, pretas, envolvidas por uma polpa branca, de sabor agridoce, muito delicado e semelhante a fruta-do-conde. A polpa da graviola é bastante fibrosa, parecendo algodão, sendo excelente fonte de vitamina B, além de fornecer outros benefícios à saúde.

FRUTA DO CONDE

Nome Científico: Annona squamosa 
É uma árvore de 5 a 8 metros de altura, tronco ramificado desde a base, casca castanho-acinzentada. Possui folhas verde-escuras, lisas na parte superior e com pelos na parte inferior. Suas flores são creme-amareladas, isoladas ou em grupos de quatro. Suas frutas são tipo baga, quase esférico ou cordiforme, recoberto por escamas carnosas, esverdeado enquanto jovem e verde amarelado quando maduro. Polpa branco-amarelada, carnosa, macia, adocicada, aromática, envolvendo numerosas sementes.
A frutificação ocorre no verão e durante o ano todo.

ATEMOIA

Nome Científico: Annona atemoya
É uma árvore de médio à pequeno porte, alcançando até 10 metros de altura e 40 cm de diâmetro de tronco. As folhas são lisas, alternas, ovaladas, cerosas, com margens lisas e nervuras bem marcadas. As flores são discretas, de coloração creme ou verde ferrugínea.
Seus frutos possuem casca grossa, rugosa e pontiaguda e polpa cremosa, branca, de sabor doce, mas ligeiramente ácido que envolve sementes de cerca de 1 centímetro.
A colheita costuma ocorrer entre abril e outubro.

UVAIA

Nome Científico: Eugenia pyriformis
É uma arvoreta nativa brasileira, alcança de 4 a 10 metros de altura, pode ter caule único e retilíneo ou ramificar desde à base. Apresenta folhas pequenas e aromáticas e floresce na primavera. O fruto é uma drupa globosa, carnosa, suculenta, de casca e polpa amarela a alaranjada. Eles amadurecem no verão e são avidamente consumidos por passarinhos. Ricos em vitamina C e podem ser consumidos in natura.

AZEITONA

Nome Científico: Olea europaea
É uma árvore de porte pequeno, com copa ampla, arredondada e o tronco grosso, irregular, cinzento e bastante tortuoso e retorcido. As raízes são fortes e podem atingir 6 metros de profundidade. As folhas são elípticas, de cor verde-acinzentada na face superior e prateadas na face inferior, o que confere ao conjunto da folhagem um aspecto azulado. As inflorescências surgem na primavera, com flores de cor branco creme e suave perfume. No outono se formam as azeitonas. 

CAQUI

Nome Científico: Diospyrus kaki 
É uma árvore com folhas largas em tom de verde terroso mais claro ou mais escuro, que adquire belas tonalidades de bronze e vermelho durante o outono, logo antes de caírem. As flores são pequenas, de cor creme ou rosadas e ocorrem na primavera.
Os frutos são bagas, e podem apresentar sementes ou não e tornam-se maduros no final do verão e início do outono, mas algumas colheitas podem se estender um pouco mais.

MARACUJÁ DOCE

Nome Científico: Passiflora alata
É uma trepadeira e portanto, necessita de apoio para sua condução.  Uma planta de maracujá pode não produzir se as flores não forem polinizadas com pólen de outra planta. 
Ele geralmente floresce em torno do verão, precisando de plena exposição solar.
Ele atrai abelhas, borboletas e aves, e é adequada para o cultivo em jardins. O fruto tem a forma de ovo, de cor amarela a laranja brilhante, com numerosas sementes achatadas envoltas pela polpa.

MARACUJÁ AZEDO

Nome Científico: Passiflora sp
É uma trepadeira de crescimento vigoroso e continuo. Em algumas espécies, as folhas são arredondadas e em outras são partidas, com bordos serrilhados. As flores são grandes, vistosas, de diversas cores de acordo com a espécie e a variedade. A floração ocorre no verão. Os frutos são arredondados e com numerosas sementes achatadas envoltas pela polpa. Adequada para cobrir cercas, pérgolas e caramanchões, deve ser cultivada a pleno sol. A maioria das espécies não é tolerante ao frio e às geadas. 

ABACATE

Nome Científico: Persea americana
É uma árvore de grande porte, que pode alcançar cerca 20 metros de altura. Seu tronco é pouco reto, com casca acinzentada, espessa e recortada. Suas folhas são lustrosas e de cor verde-escura. As flores são pequenas, de cor verde clara e muito numerosas. O fruto possui casca de cor verde a marrom, e polpa cremosa, adocicada, de cor verde-oliva a creme, são bastante grandes, chegando a pesar até um quilo, e contêm uma única semente, esférica e grande.
Devem ser colhidos verdes, no pé e amadurecem lentamente. 

ABIU AMARELO

Nome Científico: Pouteria caimito
É uma árvore de copa arredondada, densa, que alcança o chão. Possui tronco ereto, com casca pardo-escura e sulcada.
As inflorescências ficam sobre os ramos finos, e as flores miúdas são perfumadas. Formam-se em dezembro-janeiro no sudeste.
O seu fruto apresenta coloração amarela e algumas variedades apresentam várias estrias verdes que riscam o fruto no sentido longitudinal. Possui casca lisa, baga translúcida (branca ou amarela)  e doce. Amadurece entre maio e novembro.

MAMÃO PAPAYA

Nome Científico: Carica papaya
É uma árvore de caule semi-herbáceo e simples. Suas folhas são grandes, com nervuras amarelas e que, ao caírem durante seu crescimento, deixam grandes cicatrizes no caule. As flores podem ser brancas ou amarelas, são cerosas e muito perfumadas. Seu fruto é carnoso, grande, com polpa macia, densa, aromática e de coloração variável entre o amarelo e o vermelho. Sua casca é lisa e fina, verde na ocasião da colheita e que torna-se gradativamente amarela ou alaranjada com o amadurecimento. 

CAJA MANGA

Nome Científico: Spondias dulcis
É uma árvore que pode atingir até 15 metros de altura. O fruto tem formato cilíndrico, podendo pesar até 380 g. Possui casca lisa e fina, com coloração amarela brilhante, muito aromático e de polpa suculenta, de sabor agridoce e ácido quando maduro, com endocarpo revestido de espinhos (macios) irregulares. Sua colheita se dá de forma manual, sendo que o período de safra é de dezembro a julho. É uma fruta rica em fibras.

NÊSPERA

Nome Científico: Eriobotrya japonica
É uma árvore de tronco curto e avermelhado, com copa arredondada. Em altura, geralmente não ultrapassa os 4 metros. Sua floração ocorre no outono e início do inverno, enquanto que sua frutificação dá-se no inverno e início da primavera. O fruto que se segue é do tipo baga, de cor amarela, laranja ou rosada. É doce, suculenta, ácida e rica em pectina. 
Além de ornamental e frutífera, ela é muito resistente as pragas e doenças, não exigindo a aplicação de defensivos químicos. É também uma opção para atrair a avifauna silvestre para o quintal.

CAJU

Nome Científico: Anacardium occidentale
É uma árvore tropical, nativa brasileira. Alcança até 10 m de altura e possui copa larga, com galhos que pendem até o solo. Em geral, o tronco é tortuoso e ramificado e suas folhas podem ser róseas ou verdes. Apresenta flores pequenas, branco-rosadas e perfumadas. A safra acontece de janeiro a fevereiro. O verdadeiro fruto é a parte conhecida como a castanha-do-caju, e o que é considerado popularmente como fruto é uma haste carnosa. Ele pode ser amarelo, vermelho ou apresentar cor intermediária, sendo rico em vitamina C, cálcio, fósforo e ferro. 

JAMBO

Nome Científico: Syzygium jambos
É uma árvore frondosa, de folhas grandes, cuja copa tem uma forma piramidal. Extremamente ornamental, oferece, ao mesmo tempo, beleza, boa sombra e doces frutos . Suas flores são coloridas de púrpura, rosa e lilás. Os frutos, vermelhos por fora e alvos por dentro, têm um sabor doce que lembra o das peras, porém acrescido de um perfume forte de flor. A casca é fina e a polpa, pouco suculenta, é consistente.
O jambo é composto por vitamina C, antioxidantes, flavonóides e taninos.

MAÇÃ

Nome Científico: Malus domestica
É uma árvore pequena, que floresce na primavera e dá frutos amarelos, vermelhos ou verdes a partir do final do verão até ao inverno.
É uma fruta típica dos ambientes de clima temperado. De um paladar extremamente saboroso, ela é também detentora de um alto poder de nutrição.
Sua polpa é esbranquiçada, contendo em seu interior várias sementes. O peso oscila entre 100 e 200 gramas. O melhor período de produção no Brasil é de janeiro a abril. 

JACA

Nome Científico: Artocarpus heterophyllus
É uma árvore  de grande porte, provida de copa mais ou menos piramidal e densa, com tronco robusto, revestido por casca espessa. O fruto é de forma ovalada e nascem diretamente do tronco e dos galhos mais grossos. A parte comestível da jaca são os frutícolos encontrados no seu interior, em grande número, de cor amarelada, envoltos por uma camada grudenta, sabor doce e cheiro forte e característico. Os bagos podem ser de consistência um pouco endurecida ou totalmente mole.

PERA

Nome Científico: Pyrus Communis L.
É uma árvore de clima temperado, originária da Europa, porém com regas constantes e podas corretas é possível produzir em todo Brasil.
As pêras d’água possuem textura suculenta e sabor adocicado. Sua produção exige baixa necessidade em frio. São árvores muito produtivas. Existem diversas cultivares de peras d’água, porém a Branca, com frutas lisas e verde claro, é a mais difundida no território brasileiro. Sua colheita é feita no verão.

ABACAXI

Nome Científico: Ananas comosus
É uma planta que possui porte médio e crescimento ereto. É vigoroso, possui folhas com cerca de 65 cm de comprimento e espinhos nas bordas. Apresenta forma cônica, casca amarelada (quando maduro), polpa branca, sucosa e pouca acidez. O fruto pesa de 1,0 Kg a 1,5 Kg e possui coroa grande. Apresenta tolerância à murcha associada a cochonilha e é suscetível à fusariose, doença causada por fungo.
Geralmente, o florescimento natural do abacaxizeiro ocorre no inverno.

COCO

Nome Científico: Cocos nucifera
É uma palmeira, com folhas grandes e pinadas. As inflorescências, são belos cachos pendentes, carregados de numerosas e pequenas flores brancas ou amareladas. Os frutos são do tipo drupa, apresentam formato globoso de coloração verde, amarelo ou vermelho. Os cocos, quando imaturos, apresentam amêndoa mole e pouco desenvolvida, mas contém água-de-coco em maior quantidade e qualidade. São palmeiras muito rústicas, de crescimento rápido, que não toleram o frio ou seca. 

PITAYA

Nome Científico: Hylocereus undatus 
 É planta perene, nativa de florestas úmidas. Mantem hábito escandente ou trepador, tem raízes fibrosas, abundantes e desenvolve também numerosas raízes adventícias, que ajudam na sua fixação e na obtenção de nutrientes. 
Abre suas belas flores brancas com centro amarelo somente ao escurecer e, apenas no verão. Além disso, é um excelente porta-enxerto para outras cactáceas. Pode ser plantada em vasos, ou entre fendas de pedras e árvores como epífita. Não aprecia o frio e deve ser regada periodicamente. 

LICHIA

Nome Científico: Litchi chinensis Sonn
É uma árvore com tendência a desenvolver ramos direcionados para o solo. A inflorescência é composta de centenas de pequenas flores brancas. Normalmente, a florada começa em fins do inverno a início da primavera. O fruto é uma drupa de forma e tamanho variáveis. A casca é vermelho-brilhante (quando maduro) e quebradiça. A polpa é, normalmente, branca e translúcida. A semente é marrom-brilhante. 

PÊSSEGO

Nome Científico:  Prunus persica 
É uma árvore geralmente de até 8 metros de altura. Possui flores vistosas, arroxeadas que ocorrem na primavera e verão e são comestíveis. Nunca se deve regar em excesso, pois suas raízes são delicadas e muita água pode danificá-las.
Seu fruto é globoso, possui casca recoberta por uma pilosidade esbranquiçada, de coloração amarelo-avermelhada. Polpa comestível, suculenta, carnosa, adocicada, envolvendo uma semente.

CARAMBOLA

Nome Científico: Averrhoa carambola
É uma arvoreta ornamental e frutífera, de pequeno porte, que dá origem a carambola, uma fruta tropical de aparência e sabor exótico. As inflorescências, são muito decorativas e apresentam pequenas flores róseas. Os frutos comestíveis são muito brilhantes e de coloração esverdeada, tornando-se amarelos quando maduros. Ao corte transversal das carambolas, pode-se observar a forma de uma estrela. Suas sementes são marrons e pequenas.

Tudo o que você precisa saber sobre frutíferas, em um único lugar.



Saber mais...

Share by: